Carta ao Colaborador - Junho 2018

Por: Eduardo Maldaner
07/06/2018 | 11h09min

Carta ao Colaborador - Junho 2018
Olá Colaboradores!

Chegamos em Junho... para quem gosta de frio, aproveite!

Já para nossa atividade, tradicionalmente o inverno tende a ser um mês fraco, pois os pneus sofrem menos desgaste, gerando menos reforma. Além disso as estradas nessas épocas apresentam maiores riscos de danos aos pneus, fazendo com que muitos pneus estourem antes de chegar na hora da reforma.

Gostaria de comentar sobre o mês de Maio, um mês que para a maioria das unidades iniciou muito aquecido e tinha tendências de ser um dos melhores meses do ano em produção, mas tivemos o mês perdido em função das manifestações / greve dos caminhoneiros.

Não quero discutir o mérito das manifestações, pois temos clientes favoráveis e contrários as mesmas, o que posso dizer é que sim, os combustíveis e outros fatores como pedágios estavam inviabilizando o transporte, fator esse que também sofremos pois também de certa forma somos transportadores, temos muitos veículos rodando e a conta de combustível foi a que mais cresceu do ano passado para esse, corroendo muito os resultados.

O problema é que a manifestação foi um pouco longa, e os reflexos negativos vamos sentir por um longo período, muitas empresas vão quebrar, pois já estavam em dificuldades, e com os prejuízos de paradas que alguns sofreram, vão ao longo dos próximos meses quebrar, gerando menos emprego e renda para o país.

Sofremos com a paralisação, assim como nossos clientes e outras empresas de diversos setores. Tivemos uma perda aproximada de faturamento de R$ 3 milhões. Ainda não temos o tamanho do prejuízo apurado.

Como CEO não precisaria divulgar tais dados, mas sempre fomos bem transparentes e apesar das coisas não serem fáceis em nenhum negócio, trago esta informação negativa, porém realista, porque a Empresa enfrentou este momento com muita solidez.

Entramos em 2015 na crise preparados, tanto que 2015, 2016 e 2017 foram anos muito bons para a FM Pneus, crescemos com boas taxas, de forma sólida e com os pés no chão. Fizemos investimentos e vamos continuar fazendo, pois apesar do nosso mercado estar em dificuldades, nossa gestão é voltada sempre para a FM ser uma empresa sólida e com longevidade.

As coisas são fáceis para nós? Não, para ninguém é. Mas nossa gestão gosta de desafios e é preparada para isso. Lutamos por resultados apertados, de 6, 7% e muitas vezes não atingimos em algumas unidades. 2018 tem se mostrado um ano que prometia recuperação de economia, mas em função dos aumentos de custos que não conseguimos repassar nos nossos serviços e produtos, tem se mostrado um ano mais difícil. Precisamos buscar ser mais eficientes, pois é a única forma de nos mantermos rentáveis.

Nosso trabalho sério e focado em qualidade nos dão força para continuarmos sendo a indústria de reforma de pneus número 1 do Brasil!

Com nossa solidez, continuaremos avançando no mercado. Tanto que estamos com dois projetos de expansão de mercado com 80% de probabilidade de acontecerem nos próximos três meses. Também estamos orçando a ampliação física da Unidade Maravilha em 850 m² para estoques de pneus, liberando espaço na construção atual para ampliarmos as linhas de vulcanização de pneus fora-de-estrada e expedição de pneus da Unidade.

Através da parceira Conti, devemos padronizar com a marca Continental o auto center da Unidade Maravilha, que até então era multimarcas. A partir daí, a Empresa amplia seu mix de produtos Continental que pode gerar futuras expansões na linha leve de pneus.

Aproveito para comunicar também que passamos de fase na pesquisa das 150 Melhores para se Trabalhar da Revista Você S/A, pois estamos na etapa de entrevistas de colaboradores, com certeza já estamos entre as 200 Melhores, agora é torcer para que a FM entre na lista, que é uma grande vitória para comemorarmos caso tivermos êxito!

Vamos lá time! Vamos fazer de Junho, um mês tradicionalmente fraco para o segmento, um mês positivo para nossa Empresa!

Abraços!

Carta ao Colaborador

Adicione um comentário


Outros Comentários


Seja o primeiro a comentar

Copacol